destaque

destaque

quarta-feira, 4 de maio de 2016

MOSSORÓ - Mossoró Cidade Junina 2016 tem licitação sob suspeita, é adiada e vira caso de polícia

O pregão presencial do Mossoró Cidade Junina 2016 virou caso de polícia. Proprietários de empresas que se sentem prejudicadas estão denunciando suposta falsificação de documentos da empresa Garra Eventos. A queixa foi encaminhada a uma Delegacia da cidade. A licitação, na modalidade pregão, deveria ter sido concluída na manhã desta terça-feira (3), mas devido aos pontos suspeitos, foi transferida para nova data, possivelmente na próxima semana.

O problema se arrasta há pelo menos duas semanas, com a Prefeitura de Mossoró adiando o certame licitatório. O Cidade Junina 2016 deve ser aberto no primeiro sábado de junho, 6, com o “Pingo da Mei Dia”, ou seja, daqui a um mês. O confronto de hoje começou quando a Sampaio Eventos, que apresentou a melhor proposta, foi desabilitada por não ter o atestado de captação de recursos, exigido na proposta técnica. Daí, a segunda colocada, Garra Eventos, seria a vitoriosa. Só que as empresas que foram eliminadas denunciaram que a Garra havia apresentado atestado de captação de recursos falsificado.

O pregão foi acompanhado pelos vereadores Tomaz Neto e Genivan Vale, ambos do PDT. Segundo Genivan, em entrevista ao Blog do Magnos Alves, a polícia fará diligências para averiguar se os documentos apresentados pela Garra são verdadeiros ou se a denúncia de falsificação procede. Caso se confirme a falsificação, além de ser eliminada, a Garra responderá processo criminal. A terceira colocada do pregão foi a empresa Francisco de Assis Almeida ME. Primeiro, surgiu a desconfiança de que a empresa pernambucana ADPA seria a vencedora, mas como houve a denúncia, representantes da citada empresa sequer apareceram no primeiro dia do pregão.

Como as outras empresas seriam desabilitadas, o pregão acabou adiado duas vezes. Daí, surgiu a Garra Eventos, que teria a simpatia do Palácio da Resistência para ganhar a concorrência. Ganharia, não fosse a denúncia de falsificação de documentos.

Outro ponto que chama a atenção é que 50% do valor do edital, que é de R$ 3,8 milhões, não faz parte da concorrência. Ou seja, R$ 1,9 milhão ficariam “soltos” para a Prefeitura contratar as atrações da festa. Nas redes sociais circulam comentários que há pelo menos dois meses o prefeito Silveira Júnior (PSD) já havia contratado algumas atrações, com destaque para Wesley Safadão. O prefeito não confirma. Porém, reservou no edital  R$ 1,9 milhão, sem licitação, para ser gasto com bandas e cantores.
Defato.com

Nenhum comentário: