destaque

destaque

domingo, 18 de dezembro de 2016

BRASIL - ‘A renúncia é sempre um ato pessoal’, avalia Marina Silva

ctv-t8r-marinafabiomottaestadaoUm dos nomes mais fortes para a sucessão do presidente Michel Temer, segundo pesquisas de opinião, a ex-ministra Marina Silva (Rede) diz que o governo do peemedebista não conseguiu superar a crise nascida na gestão Dilma Rousseff. As soluções seriam uma alteração na lei para a realização de novas eleições diretas ou a renúncia de Temer. “Poderá fazê-lo. Mas isso depende de cada um. É dele”, disse Marina, ao Estado. Apesar disso, a ex-ministra defende a política econômica do governo e a Lava Jato que, para ela, tem feito uma reforma política na prática.

Com o fraco resultado nas eleições municipais, a Rede é uma plataforma viável para sustentar um projeto eleitoral nacional?
Para mim seria um partido mais do que adequado até porque neste momento de profundo descrédito na política a Rede vem sendo esta tentativa de tentar atualizar a política. Neste momento de política de terra arrasada em que há uma desconstrução quase que completa das velhas estruturas, é o momento de fazer uma espécie de garimpo de aluvião para ver o que é que sobra de cada partido e em todos os setores da sociedade para pensar um projeto de país.

Como a Lava Jato influencia na renovação da política? 
A Lava Jato criou um novo marco legal. Se conseguirmos institucionalizar estas conquistas em relação à magistratura e à Justiça estaremos fazendo uma reforma política na prática porque a Lava Jato mostra como fazer para que aqueles que só têm interesse em negócios escusos percam o interesse pela política.
Existe risco à continuidade das investigações?
Em uma entrevista coletiva eu disse que o impeachment poderia fazer com que todos se juntassem para tentar debelar a Lava Jato. Hoje, na prática, isso está acontecendo. Ficou muito claro no episódio da votação das 10 medidas contra a corrupção no Congresso. Hoje, partes significativas do PT, do PSDB e do PMDB estão juntos na mesma operação de tentar arrefecer a Lava Jato. 
A senhora vê alguma atuação direta do governo Temer neste movimento? 
Vejo que quando a base do governo se mobiliza para deturpar as 10 medidas é no mínimo conivente. Quantos investigados continuam no governo. Saiu um ministro (senador Romero Jucá, Planejamento) que surgiu em uma das delações e foi ser líder do governo no Senado. Isso vai na contramão daquilo que a boca fala.
A senhora convidaria o juiz Sérgio Moro ou o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa para integrar a Rede? 
Moro está fazendo e o ministro Barbosa fez um trabalho tão relevante que qualquer envolvimento deles futuramente com a política será um ato deles, no tempo deles, se assim desejarem. Acho que até pela necessidade de que este trabalho não seja confundido com ação política ninguém que deseja ver prosperar a Lava Jato fará qualquer movimento nesta direção. É o momento de não criar nenhuma armadilha.
O Brasil vive uma crise institucional? 
O que está sustentando o Brasil, graças a Deus, é o povo brasileiro e as instituições. No entanto estamos no limiar desta crise. Nunca estivemos numa situação tão tênue como estamos agora. O episódio do presidente do Senado (Renan Calheiros) se recusando a cumprir uma decisão da mais alta Corte do País foi algo muito difícil. Não consigo imaginar nos EUA alguém se recusando a cumprir uma ordem da Suprema Corte. Não consigo ver a Suprema Corte da Inglaterra reformando uma representação institucional para se adaptar a uma pessoa.
Como a senhora avalia estes sete meses de governo Temer?
O governo ainda não foi capaz de se estabelecer. Vive praticamente o mesmo vendaval de crises que vivia a presidente Dilma. A única diferença é que no governo Dilma havia uma equipe econômica que dirigia em alta velocidade rumo ao precipício e agora tem uma equipe econômica que, com competência, tenta desviar do precipício. No entanto, a crise política pode acabar prejudicando a economia. 
Por quê? 
Estamos vivendo uma situação esdrúxula. Geralmente a instituição Presidência da República, com credibilidade e legitimidade, serve de superfície para que os diversos setores do governo trabalhem. O que está acontecendo é que um dos setores, no caso a economia, é que dá sustentação ao governo. A cada terremoto, como a delação da Odebrecht, o governo usa a equipe econômica para se salvar. Os vendavais não vão acabar, ainda podem levar o descrédito para a economia e vamos voltar à velha era dos pacotes quando a cada semana era lançado um pacote.
Como a Rede deve se posicionar em uma eventual eleição indireta para presidente?
A legislação eleitoral aprovada bem antes desta crise (e travada no Congresso) estabelece que na vacância do cargo haverá nova eleição a menos que seja a seis meses do pleito. Há que se fazer um esforço para criar mecanismos que façam esta adequação. O pior dos mundos é uma eleição indireta com este Congresso que aí está. O que o Brasil precisa neste momento é devolver para a sociedade a legitimidade para repactuar as medidas de transição na saída desta crise.
Existe outro caminho?
Eu já dizia antes que a renúncia é sempre um ato pessoal, unilateral. A presidente Dilma poderia ter feito este gesto. Não fez. O presidente Temer, no meu entendimento, se encontra na mesma situação que ela. Poderá fazê-lo. Mas isso depende de cada um. É dele. Faltam 16 dias.
Qual a opinião da senhora sobre a PEC do Teto e a reforma da Previdência?

Em 2010, quando fui candidata pela primeira vez, propus que o aumento do gasto público seria o crescimento do PIB considerando a correção da inflação. É uma diferença básica desta proposta do governo. No caso da Previdência não há dúvida que devemos resolver este grave problema. Mas corrigiria arbitrariedades. Uma pessoa ter que levar quase 50 anos de contribuição contínua para fazer jus à aposentadoria integral é uma arbitrariedade. Uma outra coisa é porque apenas alguns setores vão passar pelo sacrifício? Porque não temos o princípio da equidade incluindo militares, Judiciário e Legislativo? Eu votaria, se fosse ainda senadora, pela admissibilidade das duas medidas corrigindo as arbitrariedades.
estadao

Nenhum comentário: