destaque

destaque

sábado, 12 de novembro de 2016

ALTO DO RODRIGUES - Candidata Jaqueline Medeiros abre e encerra campanha política com lambanças

Candidato com cara de poucos amigos - Mê, principal prejudicado pela Coligação
Desde a convenção do partido, quando a escolheu candidata a prefeita pela Coligação juntos para vencer, Jaqueline Medeiros, coleciona algumas lambanças com erros primários de uma equipe fraca, que segundo os comentários de rua, antes de iniciar o pleito, desembarcaria na cidade, uma assessoria jurídica com advogados dos Estados Unidos para agregar conhecimentos e direcionar nos 45 dias de campanha política da candidata.

Em uma das reuniões anterior à convenção, uma fonte que esteve presente, nos revelou que o esposo da candidata derrotada, Eider Medeiros, presidente de um mega conglomerados de empresas do grupo "Eider Magazine", e empresário emergente, cotado a figurar na próxima lista da revista americana Forbes, citou aos presentes, no encontro, entre outras coisas, sobre a assessoria jurídica do mais alto gabarito, que os candidatos daquela coligação iriam dispor durante o período eleitoral.

Tudo iniciou na Convenção, quando redigiram as atas completamente desconexas uma das outras, com partidos que faziam coligações na chapa majoritária e não obedeciam a mesma regra na proporcional, com nomes de coligações erradas que ora se chamavam "juntos para vencer" e em outro momento "unidos para vencer" e, o principal erro de todos, esse ainda mais grave, que fez a juíza de Pendências sentenciar pela substituição do candidato a vice-prefeito, Jonas Augusto (Mê), no prazo máximo de 48 horas da sua decisão, que foi a falta de coerência na Coligação partidária, onde, na ata da candidata a prefeita do PSD - só constava a formalização da coligação na majoritária com o PC do B, deixando de fora o PTN, partido do ex-vereador Mê, que tentava a indicação de vice. Erro primário e fatal, que obrigou o grupo de Mê retirar a sua postulação a vice prefeito, e ainda, prejudicaram o seu filho, candidato a vereador, Antônio Leão (Lobão), a ter o registro de candidatura impugnado pelo pleno do Tribunal Regional Eleitoral, e com isso, viu os seus votos que obteve no pleito, sendo anulados.
Print da publicação da nota no site da Justiça Eleitoral
Ainda no registro, a coligação juntos para vencer, amargou a perda de duas candidatas a vereadora, que junto com os assessores da candidata Jaqueline, não observaram aos prazos de desincompatibilização e, antes mesmo, da canetada da juíza pela impugnação das candidaturas, as mesmas, se anteciparam e pediram renúncia.

Após isso, a candidata Jaqueline Medeiros, foi condenada a pagar multa por desobediência a lei eleitoral por propaganda antecipada e, em seguida, em outra ação, por propaganda irregular. Ações que correm até hoje no TSE - a pedido da candidata derrotada, tendo em vista, que perdeu em primeira e segunda instâncias.

E como diz o ditado, não a nada ruim que não possa ficar ainda pior, a candidata Jaqueline Medeiros e a sua "fantástica" equipe de campanha, após a eleição realizada no dia 2 de outubro, ainda emitiu uma nota fiscal no valor de R$: 14.680,50 (quatorze mil, seiscentos e oitenta reais e cinquenta centavos), com data de 3 de outubro no posto Frei Damião, que é vedado pela lei eleitoral e, tido como ato insanável. 
Data limite para a Arrecadação e Despesas de partidos políticos e candidatos.

Pela resolução que dispõe sobre arrecadação e os gastos de campanha por partidos políticos e candidatos (ver resolução no site), a candidata não poderia ter criado despesas após a eleição. Pelo visto, ainda terá que amargar, além da derrota nas urnas, a desaprovação de suas contas de campanha junto à justiça eleitoral como medida impositiva.

Nenhum comentário: